sábado, 19 de outubro de 2013

Biografia de H. P. Lovecraft

Howard Phillips Lovecraft nasceu em Providence, Rhode Island, em 20 de Agosto de 1890. Ele foi um escritor norte-americano celebrizado por obras de fantasia e terror, marcadamente gótico, sempre permeados por ficção científica.
Lovecraft foi o único filho de Winfield Scott Lovecraft, negociante de jóias e metais preciosos, e Sarah Susan Phillips, vinda de uma família notória que podia traçar suas origens diretamente aos primeiros colonizadores americanos. Quando H. P. tinhas três anos, seu pai sofreu uma aguda crise nervosa que deixou sequelas profundas, obrigando-o a passar o resto de sua vida em clínicas de repouso, deixando-o para ser criado pela mãe, por duas tias, e por seu avô paterno.
Lovecraft era um jovem prodígio que recitava poesia aos dois anos e já escrevia seus próprios poemas aos seis. Seu avô encorajou os hábitos de leitura, tendo arranjado para ele versões infantis da Ilíada e da Odisseia, de Homero, e introduzindo-o à literatura de terror, ao apresentar-lhe clássicas histórias de terror gótico. Também fora uma criança constantemente doente, segundo consta, ele sofria de poiquilotermia, uma raríssima doença que fazia com que sua pele fosse sempre gelada ao toque. Devido aos seus problemas de saúde, ele frequentou a escola apenas esporadicamente.
O seu avô morreu em 1904, o que levou a família a um estado de pobreza, devido à incapacidade das filhas de gerirem os seus bens. Foram obrigados a mudar-se para acomodações muito menores e insalubres, o que prejudicou ainda mais a já débil saúde de Lovecraft. Em 1908, ele sofreu um colapso nervoso, acontecimento que o impediu de receber seu diploma de graduação no ensino médio e, consequentemente, complicou sua entrada numa universidade. Esse fracasso pessoal marcaria Lovecraft pelo resto dos seus dias.
Nos seus dias de juventude, Lovecraft dedicou-se a escrever poesia, mergulhando na ficção de terror apenas a partir de 1917, publicando em 1923 seu primeiro trabalho, dois anos após a morte da mãe.
Durante o período em que trabalhou como, conheceu a judia ucraniana Sonia Greene, com quem viria ter um breve matrimônio, sendo o período imediatamente após seu divórcio foi o mais prolífico de Lovecraft, no qual ele se correspondia com vários escritores estreantes de horror, ficção e aventura. Entre eles, seu mais ávido correspondente era Robert E. Howard, criador de Conan o Bárbaro. Algumas das suas mais extensas obras, Nas Montanhas da Loucura e O Caso de Charles Dexter Ward - seu único romance -, foram escritas nessa época.
Sua vida é marcada por uma certa lugubridade, com os anos, enquanto o cancro no intestino (a doença que o mataria) progredia, ele foi abalado pelas mortes de suas tias e o suicídio  de seu amigo Robert E. Howard. No final, Lovecraft suportou dores sempre crescentes, até que em 10 de Março de 1937 se viu obrigado a internar-se no Hospital Memorial Jane Brown, onde morreria cinco dias depois, aos 46 anos de idade.
O princípio orientador literário de Lovecraft era o que ele chamava de  "terror cósmico", a ideia de que a vida é incompreensível à mente humana e que o universo é fundamentalmente alienígena. Lovecraft desenvolveu um culto baseado em Cthulhu Mythos, uma série de ficção vagamente interligada com um panteão de entidades anti-humanas, assim como o Necronomicon, um Grimório fictício de ritos mágicos e sabedoria proibida.
Era assumidamente conservador e anglófilo, sendo por isso habituais no seu estilo os arcaísmos e a utilização de vocabulário e ortografia marcadamente britânicos; talvez por isso, durante a sua vida teve um número relativamente pequeno de leitores, que só cresceu com o tempo, marcando-o como um dos escritores de terror mais influentes do século XX.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário