quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Biografia de André Vianco

O escritor brasileiro Andre Vianco nasceu em São Paulo, e é um dos maiores autores do estilo chamador “Horror” da contemporaneidade.
Antes de adotar Vianco como seu sobrenome artístico, - que homenageia a cidade de Osasco derivando da Rua Dona Primitiva Vianco (muito citrada em seus livros) - André começou a escrever profissionalmente para a rádio Jovem Pan na seção de humor. Tornou-se redator do departamento de jornalismo da rádio e por lá permaneceu por dois anos.
Em 1999 após ser despedido de seu emprego em uma empresa de cartões de crédito, André utilizou o seu FGTS para produzir 1000 cópias de seu primeiro best-seller, Os Sete. Em 2000 ele foi pessoalmente promover seu livro em livrarias e editoras. Em 2001 a editora Novo Século se interessou por seu trabalho e re-publicou o livro. Desde então a parceria entre autor e editora proporcionou mais livros e uma obra que está sendo gradualmente ampliada.
Os Sete (considerado sua obra-prima) deriva diretamente do primeiro romance de André Vianco, O Senhor Da Chuva. Em O Senhor da Chuva, apesar da história estar relacionada diretamente a anjos e demônios, o autor criou uma personagem vampiro que, segundo o autor, teria sido pobremente explorado. A partir de então, André ficou com a ideia de escrever um romance em que vampiros seriam os protagonistas. Em seu primeiro roteiro, pré-escrita, os vampiros eram apenas dois e o título do livro seria "Os Dois". Porém André não se sentiu satisfeito e sua trama virou "Os Sete".
O autor aborda temas sobrenaturais mesclando suspense e terror. Apesar de suas obras não serem exclusivamente sobre vampiros, foi este tipo de personagem que chamou a atenção para a sua obra. Outros seres fantásticos foram lembrados em seus livros como espíritos, lobisomens, bruxas e curupiras.
André pesquisa nas mais variadas fontes, e delas pega um pouco das lendas que corre mundo afora. A ideia de vampiros utilizarem árvores para se locomoverem em Bento foi inspirada da lenda dos aborígenes australianos que falam de vampiros que vivem nas árvores, bebem o sangue das suas vítimas e depois as engolem por inteiro.
Em suas obras, o autor já demonstrou preocupação com temas como meio ambiente, incentivo a leitura e embriões congelados.
Ele é mais um dos que ainda prometem muito. E o melhor, ele é brasileiro!

sábado, 25 de dezembro de 2010

As Crônicas Vampirescas - Anne Rice (Resenha 1)

Estou lendo “As Crônicas Vampirescas” de Anne Rice e resolvi ir postando minhas resenhas a medida em que for lendo.
O primeiro livro trata da história de vida do vampiro Louis. O livro inicia-se com um jovem repórter entrevistando Louis, e este conta sobre sua vida antes de se tornar vampiro, como se transformou, como conheceu Lestat (que foi o vampiro que o criou), a vampira Cláudia (um de seus mais perturbados amores) e Armand (outro amor perturbado). É o livro menos interessante da série. Foi adaptado para o cinema com o mesmo nome.
O Segundo volume das Crônicas Vampirescas, narra a história do vampiro Lestat de Lioncourt (que dá nome ao livro) - um dos personagens mais carismáticos da autora – desde seus dias como humano, passando por seu encontro com o vampiro que o transformou e sua (sempre) conturbada vida imortal, até o encontro com Akasha. A partir daí a história continua no livro A Rainha dos Condenados.
Lestat é o sétimo filho do marquês d'Auvergne e nasceu em 1760, em Auvergne, França, em um castelo pertencente a seus antepassados. Sua relação com seu pai e irmãos eram tensas devido a diferenças irreconciliáveis.
Talvez o momento mais crucial de sua vida mortal, foi quando as pessoas da cidade vieram para lhe falar sobre lobos que entraram na aldeia. E enquanto caçava os lobos ao redor das montanhas de Auvergne, foi atacado por 8 deles, que quase causaram sua morte. Ele retornou para casa, determinado a seguir o seu próprio caminho.
Lestat cai numa profunda depressão após seu encontro com os lobos e perde o sentido da vida, e acompanhado de um amigo violinista de nome Nicolas, ele deixa Auvergne e vai para Paris, com intenção de se tornar um ator de teatro. Durante uma peça, ele atraiu a atenção de um antigo vampiro chamado Magnus, que o rapta e transforma em vampiro contra vontade, e depois comete o suicídio atirando-se em uma pira, deixando Lestat para defender a si próprio, sem qualquer tipo de orientação. Lestat descobre que agora é herdeiro de uma inesgotável riqueza, e começa uma aventura que o leva a conhecer todo o mundo.
Após séculos ele se cansa da vida e se enterra em uma de suas propriedades, de onde resurge decadas depois para se tornar um Rockstar, que rela os segredos dos vampiros para todos o mundo, conseguindo assim muitos inimigos imortais.
A Rainha dos Condenados, é o terceiro livro da série Crônicas Vampirescas de Anne Rice, continuando diretamente do final de O vampiro Lestat, narra a origem dos vampiros, a transformação de Akasha e a Lenda das Gêmeas Maharet e Mekare.
“O Vampiro Lestar” e “A Rainha dos Condenados” foram adaptados juntos para o cinema em um filme chamando A Rainha dos Condenados.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Resultado da enquete “qual tipo de livro você prefere?”

Romance "água com açúcar" teve 3 votos (4%)
Ficção Científica teve 10 votos (14%)
Romance de Aventura teve 22 votos (31%)
Histórias infantis teve 1 votos (1%)
Romance de formação teve 5 votos (7%)
Histórias Sobrenaturais teve 16 votos (23%)
Contos ou Crônicas teve 4 votos (5%)
Auto-ajuda teve 0 votos (0%)
Outros teve 8 votos (11%)

Total de votos: 69


Já sei sobre o que escrever meu livro ^^

Poirot e o Mistério da Arca Espanhola & Outras Histórias – Agatha Christie

Estou eu aqui mais uma vez a falar de um maravilhoso livro da Rainha do Crime. Em “Poirot e o Mistério da Arca Espanhola & Outras Histórias”, nossa querida Agatha Christie revela uma face nova (pelo menos para mim). Neste livro, com nove contos, ela se mostra capaz de escrever bem em outras áreas, sem deixar o estilo policial, que neste livro é representado por “Poirot e o Mistério da Arca Espanhola” e “O Ouro de Manx”.
Mas também neste livro há contos daquele generozinho tão difícil de nomear, o mesmo que H. P. Lovecraft tão bem representou. Contos menos ortodoxos, sem final feliz, de estilo mais lúgubre, como se ela os tivesse escrito durante uma crise depressiva... Mas agora eu estou divagando. Esses contos são os que iniciam o livro, e são assim a maior parte dos contos nele presentes, tais como “O Limite”, “A Atriz”, “Enquanto a Noite Durar” e “A Casa dos Sonhos”.
E para mostrar como Christie é verdadeiramente plural, há um conto, que nem é policial, nem lovecraftiano, tem um tom sombrio, mas tem um final feliz, e é pincelado com motivos pagão (o que só melhora o conto), é “O Deus Solitário”.
Enfim, como todos os livro da Rainha do Crime, eu o recomendo e indico a todos!

domingo, 12 de dezembro de 2010

A Hora do Vampiro – Stephen King

Foi o segundo romance lançado por Stephen King e com certeza um dos melhores!. O enredo se passa na cidade de Jerusalém's Lot (fictícia), na Nova Inglaterra. Após a chegada de três forasteiros - o escritor Ben Mears (nosso heroi) e o senhor Barlow e o senhor Straker (nossos vilões) - fatos inexplicáveis passam a perturbar a rotina da cidade. Ben, o garoto Mark Petrie e o Padre Callahan devem então agir para salvar a cidade de garras dos vampiros que se proliferam.
O livro apresenta momentos de pura literatura clássica e outros que podem ser chamados de arroubos de literatura moderna.
É rico em intertextualidade, principalmente com “Drácula: o Vampiro das Sombras” de Bram Stoker, inclusivo o autor afirma (em Dança Macabra) que se inspirou no romance de Stoker para escrever seu livro.
Para os fãs do autor, para os fãs da literatura sobrenatural, ou apenas fãs de vampiros, é uma leitura indispensável!
Leia também a biografia do autor.

sábado, 4 de dezembro de 2010

O vencedor está só - Paulo Coelho

Mais uma romance de Paulo Coelho, “O vencedor está só“, trata-se de um romance que gira em torno do mundo da fama e das celebridades. A ação fica por conta de um serial killer que comete 5 assassinatos em um cenário que envolve muito sexo, de fama e celebridades, drogas e violência.
A intenção do autor segundo ele próprio é fazer “Uma fotografia do mundo em que vivemos”
“Como podem perceber, a esperteza do mago juntou os três ingredientes que mais seduz o público do vazio e conseqüentemente, os patrocinadores da sua cadeira na ABL. Mas como todo mago guarda um trunfo na cartola, um outro poder de sedução, marca registrada de Paulo Coelho, é a capacidade de te oferecer um Universo cósmico que gira em torno dos seus desejos, conspirando à seu favor.” (Roberto Obolg).
Em resumo: “Mais uma vez o Mestre atrasa!!!”
Muitos dos livros do Paulo Coelho são disponibilizados gratuitamente para download em seu site oficial. Mas só depois de um bom tempo que o livro ficar nas vitrines. (Fica a dica ^^).

sábado, 27 de novembro de 2010

Biografia de Stephenie Meyer

Stephenie Sonnibe Morgan nasceu em Hartfor, EUA no dia 24 de Dezembro de 1973, filha de Stephen Morgan e Candy. Ela cresceu em Phoenix, Arizona, com cinco irmãos: Seth, Emily, Jacob, Paul, e Heidi. Ela freqüentou a escola Chaparral High School, em Scottsdale, Arizona, e cursou literatura inglesa na Universidade Brigham Young, em Provo, Utah, onde se formou em 1995. Meyer é membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (dá pra acreditar?). Conheceu seu marido Christian, mais conhecido por "Pancho", quando era pequena, casou-se com ele em 1994. Juntos, eles têm três filhos: Gabe, Seth e Eli. (de cara a gente nota de onde vem as inspirações para os nomes de seus personagens!). Crepúsculo é o seu primeiro romance.
Depois da publicação de Crepúsculo, Stephenie foi escolhida como um dos "novos autores mais promissores de 2005" pela Publishers Weekly. O sucesso desta obra lhe rendeu contratos de adaptação para o cinema, produtos e o planejamento de novas obras com a Little, Brown and Company. Além dos livros da saga Crepúsculo (e relacionados à ela), Stephenie continua escrevendo livros como, “A Hospedeira” e “Formaturas Infernais”.
Meyer ganhou recentemente duas versões de sua biografia: uma em quadrinhos, feita originalmente pela Bluewater Comics, "Twilight Unbound: The Stephenie Meyer Story", que conta a vida e a inspiração para a saga, a história e as lendas de Forks; e outra, não-autorizada, do biógrafo americano Marc Shapiro.
Ela ainda promete render muito!

sábado, 20 de novembro de 2010

El Teatro en la Sala de Aula: Una Mirada Plural – Orlando Fernández Aquino & Kenia M de Almeida Pereira.

O livro é um compêndio de textos de cinco professores universitários. Quatro brasileiros e um cubano, o Professor Doutor Orlando Fernández Aquino (meu professor de Didática!), de quem eu recebi um exemplar autografado da obra! (^^)
O sentimento que norteia o livro está contido o seguinte trecho: “Ojalá que la idea de la enseñaza del teatro en la sala de aula logre éxito, pues también se traduce en un proyecto colectivo de trabajo con la mentalidad de aquellos que dirigen la instituciones educacionales en todos los niveles, involucrando a profesores, alumnos y gestores educacionales en esta caminata del conocimiento que se espera también sea ‘plural’”.
Como o próprio título sugere o livro trás uma visão plural dos benefícios do teatro na sala de aula, como, por exemplo, uma forma de ilustrar determinado período histórico, ou como forma de atrair para a leitura o aluno da era da internet. Porém acho importante ressaltar, como professor de química, que senti falta do tratamento de como utilizar o teatro no ensino de ciências exatas.
O livro apresenta as premissas metodológicas para a utilização de textos dramáticos no ensino-aprendizagem. Assim como define e discute sobre o que é um texto dramático, suas partes e gêneros, Trabalhando também no como interpretá-lo.
A obra é enriquecida com trechos da dramaturgia hispanofônica.
Quando o professor Orlando me entregou o livro, ele me perguntou se era um livro bonito. Eu disse que sim e ele me respondeu que depois que lesse veria que além de bonito, é um livro bom. Agora eu afirmo que ele estava certo, o livro é bom, tem bom conteúdo, é bem escrito e trata o tema de forma simplificada e direta. É ideal para quem se interessa por teatro, ou romances dramáticos (como eu), pois faz uma análise impar deste gênero literário.

Testemunha de Acusação & Outras Peças – Agatha Christie

Esse é para quem gosta de teatro. (eu prefiro ler à assistir, mas...)
Em Testemunha da acusação & outras peças, a Rainha do Crime apresenta quatro grandes textos da dramaturgia: “Testemunha da acusação”, “A hora H”, “Veredicto” e “Retorno ao assassinato”.
Na peça que dá nome ao livro, Agatha Christie cria uma emocionante trama de tribunal: Leonard Vole é acusado de assassinar uma mulher mais velha, de quem era o único beneficiário no testamento. O julgamento foge ao controle quando a mulher do réu aparece para testemunhar contra o marido. Tudo acontece de maneira a deixar o leitor mais e mais curioso, o final é dos mais bombásticos!
Em “A hora H” a assassinada é a anfitriã de uma casa de campo no interior da Inglaterra, todos na casa são suspeitos o final não é tão surpreendente. Por isso não posso falar muito sem estragar o suspense.
“Veredicto” se passa na casa de um professor universitário, sua esposa, já muito doente é assassinada por uma aluna apaixonada por seu professor, o mistério do lavro está em saber se a prima da vítima, que foi acusada pelo assassinato, será ou não condenada injustamente e se ela ficará com o seu amor, o marido da falecida prima (que professor é esse em, todas o querem...).
A última peça é “Retorno ao assassinato” e conta a história de uma moça órfã, cuja mãe morreu na prisão cumprindo pena pelo assassinato do marido, pai da protagonista. Toda a ação se deve ao fato de nossa mocinha estar querendo provar a inocência de sua mãe. Para isso ela reúne todos que estavam presente na ocasião do assassinato e eles repassam todo o ocorrido. A conclusão é emocionante!

sábado, 13 de novembro de 2010

Biografia de Patrick Süskind

Patrick Süskind nasceu em Amsbach, na Baviera, Alemanha, no dia 26 de março de 1949, filho do escritor e jornalista W. E. Süskid, estudou História Moderna e Medieval na Universidade de Munique e, em Aix-em-Provence, na França. Publicou primeiramente alguns contos, entre eles: “Uma Batalha” – incluído em uma antologia, A Pomba, em 1979. Mas foi “O Perfume” (que também virou filme), lançado em 1985, seu primeiro livro de sucesso, seguido por “ A História do SR. Sommer” de 1991 e, em 1995, “Três Histórias”. Outro trabalho que lhe deu fama foi o monólogo dramático “O Contrabaixo”. Muito pouco se sabe sobre a vida de Süskind, que é considerado uma das pessoas mais retraídas do cenário literário alemão (que por si só já desconhecido para a maioria de nós brasileiros). Süskind evita até mesmo noites de autógrafos e não é muito simpático à ideia de transformar seus livros em filmes,com medo de que sejam plagiados ou falsificados (e ele tem razão!). Apesar disso, “O Perfume” foi transformado em filme por Tom Tykwer, tendo estreado em 14 de setembro de 2006.
Além de escritor, Patrick é também roteirista de televisão. Escreveu alguns roteiros para a TV alemã , como o seriado Der ganz normale Wahnsinn. Ao lado de Helmut Fischer escreveu o roteiro de Rossini, uma história que se passa no submundo de Munique. “O Perfume” foi publicado inicialmente em capítulos, no jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung, revivendo a tradição dos folhetins. A série “O Perfume” fez tanto sucesso que ano final daquele mesmo ano (1985) foi transformada em livro. A obra alcançou o topo das listas de best sellers na maioria dos países em que foi publicada.

domingo, 7 de novembro de 2010

O Perfume: História de um assassino - Patrick Süskind

O Perfume, um romance do escritor alemão Patrick Süskind, é um dos livro que eu mais gostei de ter lido. Se possível leiam antes de ver o filme (que é também muito bom!).
A história situa-se no século XVIII, em Paris. O protagonista, Jean-Baptiste Grenouille, nasceu no meio de tripas de peixe atrás de uma banca, onde a mãe, que algumas semanas depois foi executada por infanticídios, vendia peixe (ele só sobrevive por sorte!). Grenouille possui duas características excepcionais. A primeira é o fato de não ter cheiro nenhum, o que assusta sua ama e as crianças com quem ele vive no orfanato, mas que permite que ele passe totalmente despercebido. Durante a história, essa ausência de odor, de que ele se dá conta somente bem mais tarde, será compensada pela criação de perfumes mais ou menos atraentes, que Grenouille utiliza de acordo com as circunstâncias a fim de ser notado pelos outros (o resultado é incrível!).
A outra é que ele tem um olfato extremamente desenvolvido, o que lhe permite reconhecer os odores mais imperceptíveis. Consegue percebê-los por mais longe que estejam e armazena-os todos em sua memória, também excepcional para relembrar aromas. Esse olfato é sua única fonte de alegria, que ele aproveita para confeccionar, sem a mínima experiência, perfumes de qualidade excepcional. Também vale ressaltar que ele não se importa se os odores que inala são bons ou ruins, mas sim que sejam novos para ele.
Durante a sua vida teve vários acidentes e doenças, trabalhou como aprendiz de curtidor de peles e depois como aprendiz de perfumista e, graças às suas características, enquanto foi aprendiz de perfumista aprendeu várias técnicas para a criação de perfumes.
Grenouille um dia encontra uma jovem, com um perfume totalmente diferente de todos os outros milhares de aromas que ele guardara na memória, e acabará por matá-la, com as suas próprias mãos, de tanto desejar apoderar-se do seu odor. Mas, esta jovem é apenas uma das muitas jovens que o protagonista acaba por matar (26 no total), em busca do perfume perfeito.
No final da história, Grenouille volta a Paris, onde decide se livrar do perfume perfeito que havia finalmente produzido (e que usou apenas uma vez, mas que valeu a pena”) de uma maneira intrigante.

sábado, 30 de outubro de 2010

Biografia de Sidney Sheldon

Sidney Sheldon nasceu em Chicago, EUA, no dia 11 de fevereiro de 1917, e morreu em Los Angeles em 30 de janeiro de 2007. Foi um dos maiores escritores da era atual.
Nascido Sidney Schechtel, de pai judeu alemão e mãe judia russa, iniciou sua carreira em Hollywood como revisor de roteiros em 1937 além de colaborar em inúmeros filmes de segunda linha. Preferiu trabalhar no cinema do que na literatura por não julgar-se capaz de escrever um livro. Entrou para o Army Air Cops (Unidade do Exercito que compreende quase toda a aviação, e que se tornou parte da Força Aérea em 1947) durante a Segunda Guerra Mundial mas não chegou a servir por causa de uma hérnia de disco. Sheldon retornou à vida civil e começou a escrever musicais para a Broadway além de roteiros para a MGM e Paramount Pictures. Foi o criador da série televisiva Jeannie é um Gênio e Casal 20.
Em 1969, Sidney Sheldon lançou seu primeiro romance, A Outra Face.
Sidney Sheldon vendeu mais de 300 milhões de livros em todo o mundo. É o único escritor que recebeu quatro dos mais cobiçados prêmios da indústria cultural americana: o Oscar (cinema), o Emmy (tv), o Tony (teatro) e o Edgar (literatura de suspense). O que prova sua genialidade indiscutível!
Mesmo não sendo um escritor elogiado pelos críticos (quem os entende?!?), Sheldon se orgulhava da autenticidade das suas obras, uma vez que essas eram escritas segundo experiências vividas pelo autor.
Sheldon, um dos escritores mais produtivos da literatura americana contemporânea, morreu no dia 30 de janeiro de 2007, em Los Angeles, aos 89 anos, devido a complicações causadas por uma pneumonia.
Entre suas obras primas esão “Se Houver Amanha”, “Nada Dura para Sempre”, e o meu preferido, “O Reverso da Medalha”, que recentemente teve sua “continuação” lançada por uma fã do autor (Tilly Bagshawe) a partir de manuscritos de Sheldon.

domingo, 24 de outubro de 2010

Da Atéia Gótica à Romancista Cristã: Reviravoltas na vida de Anne Rice

Anne Rice alcançou a fama e a riqueza através de seus romances vampirescos, as 12 “Crônicas Vampirescas” (sendo “Entrevista com o Vampiro” a mais famosa) e sobre bruxas, os 5 volumes de “ As Bruxas Mayfair”. Mas depois da morte de seu marido (há especulações de que ele é quem a influenciava a escrever seus romances “de horror”) ela disse que “Estava de volta ao Cristianismo” e que não escreveria mais sobre vampiros sou seres similares.
A partir daí ela passou a escrever uma série intitulada “Cristo o Senhor”, da qual nem perderei tempo escrevendo algo, mas que outros fãs da autora (mesmo os cristãos) dizer ser “chato de doer!”.
Por 38 anos, Rice diz que foi uma “atéia assombrada por Cristo”. Seus romances vampirescos eram a reflexão de sua luta interna ao viver num mundo sem Deus que ela criou. “O vampiro”, diz ela, “é a metáfora para o marginal e a pessoa que se sente separado de Deus”. (é mais do dinheiro que ela ganho com esse “marginal”, bem que ela gostava né...)
Ela deu várias entrevistas nas quais relatava o quão feliz era por estar de volta a fé cristã. Chegou ao cúmulo de dizer que não há felicidade sem Cristo.
Recentemente ela publicou em seu Facebook as seguintes frases respectivamente:

“Para aqueles que se importam, mas entendo se você não se importar: Hoje eu deixei de ser cristã. Estou fora. Continuo comprometida com Cristo, como sempre, mas não sendo ‘cristã’ nem fazendo parte do cristianismo. É simplesmente impossível para mim ‘pertencer’ a este grupo tão briguento, hostil, polêmico e merecidamente de má fama. Por dez anos… eu tentei. Mas falhei. Sou uma estrangeira. Minha consciência não me permite mais.”

“Conforme disse abaixo, deixei de ser uma cristã católica. Estou fora. Em nome de Cristo, recuso-me a ser anti-gay. Recuso-me a ser anti-feminista. Recuso-me a ser anti-controle artificial de natalidade. Recuso-me a ser anti-democrata. Recuso-me a ser anti-humanismo secular. Recuso-me a ser anti-ciência. Recuso-me a ser anti-vida. Em nome de Cristo… deixei o cristianismo e de ser cristã. Amém.”

Apesar de isso ser sem dúvidas um avança na vida da escritora, não creio que ela abandonará projeto “Cristo o Senhor” para se dedicar aos seus temas anteriores. (o que é uma pena!)

sábado, 23 de outubro de 2010

A Pata da Gazela – José de Alencar

Mais uma mostra de que um livro (assim como uma música) pode ser ao mesmo tempo clássico e divertido. Se tratando de José de Alencar, é desnecessário dizer que esta é uma obra prima da literatura nacional!
O livro baseia-se no conto "A Cinderela" (tanto que é conheço como “A Cinderela Brasileira”) e na fábula do leão amoroso de La Fontaine, Alencar esboça um retrato irônico e crítico da sociedade brasileira do século XIX. A história é bastante trivial: um rapaz jovem e sedutor (Horácio) encontra um pé de botina caído na calçada e a trama se desenrola na tentativa dele, e de outro rapaz (Leopoldo) que também observava a cena, de descobrir quem é a dona daquele sapato.
A partir daí, a história se desenrola em torno das posições dos dois rapazes: um cultiva o amor pelo conteúdo, apesar de acreditar que a jovem possui um “pé aleijão” (pata de elefante) que vira se recolhendo à carruagem. O outro cultiva o amor pela forma, ao acreditar que a moça dona da botina é dona de um pé pequeno e perfeito, uma pata de gazela. O que não sabem é que na carruagem estavam duas grandes amigas, Amélia e Laura, ambas envergonhadas por causa de seus pés (uma o tinha muito pequeno, e a outra, em proporções fora do normal). Ambos acham que a pessoa que viram é Amélia. Leopoldo vê o “pé aleijão” subindo na carruagem, entra na sapataria e vê um sapato de mulher sendo feito numa fôrma com proporções descomunais. Associa uma coisa a outra, e o primeiro sentimento que tem é de nojo. Mas com o tempo aprende a amar Amélia, apesar do pé defeituoso. Horácio, por sua vez, chega ao extremo de pedir Amélia em casamento, apenas para ter a oportunidade de ver seu pé (cena responsável pela relação com “A Cinderela”).
A pata da gazela demonstra como o amor deve ser guiado pela alma, como Leopoldo e não pela aparência, como Horácio. E apesar de ser bastante previsível, o final é surpreendente, depois que ler me diz o que achou!

domingo, 17 de outubro de 2010

O Caminho do Poço das Lágrimas – André Vianco

Essa é para mostrar que nem os grandes gênios são perfeitos.
É o livro de Vianco que eu menos gostei (na realidade o único que eu não gostei).
O livro conta a história de Jonas, um homem muito trabalhador e com pouco tempo para a família, que resolve levar os filhos para passear, a fim de recuperar um pouco do tempo perdido com eles (1º clichê). No entanto, em determinado momento da viagem, eles acordam em um campo verde (2º clichê), sem o carro, e com uma estrada de tijolos (3º clichê) delineada a frente, um caminho chamado de Caminho do Poço das Lágrimas (bem forçado né?!?). A dúvida é: precisamos mesmo segui-lo?
Em mais um clichê, ele obviamente saem do caminho e tornam ainda mais difícil essa jornada. A medida que eles andam, a cede de Bosco (o filho caçula) se intensifica, assim como apressa de Ingrid (a filha mais velha) e o medo de Jonas.
No caminho, muitos acontecimentos misteriosos parecem não querer deixar que eles cheguem ao seu destino. E à medida que eles progridem torna-se obvio o que aconteceu com eles, ma no fim eles descobre que era exatamente o contrário.
Sobre o livro, o autor diz: "A idéia para escrever O Caminho do Poço das Lágrimas nasceu de uma história de ninar que eu inventei para as minhas filhas. Durante muito tempo essa história ficou remoendo em minha mente, ela se apoderou de mim de uma maneira que eu precisei parar tudo para dar vida a ela.".
Este é o 13º livro do autor, embora eu o considere um número de sorte, parece que deu foi azar para Vianco.
Das resenhas que eu li,a minha é única que não elogia o livro, ou eu sou do contra, ou o único sincero!

Sementes no Gelo – André Vianco

Mais uma grande obra escrita por esse achado da literatura nacional. Nesse livro Vianco foge de seu tema favorito (Vampiros) e dá vida a fantasmas de crianças que não chegaram a nascer.
Ele afirma ter tido a inspiração e a idéia para compor a obra assistindo a um telejornal onde a matéria tratava sobre embriões congelados e a legislação vigente em vários países. Em todos os países na ocasião era terminantemente proibido descartar os "ovos" fertilizados, que viriam a se tornar embriões viáveis para um futuro implante nas mães com dificuldade de fertilização natural.
Com a população mundial de embriões congelados crescendo, o autor imagina um mundo onde esses seres, mesmo que minúsculos e congelados, possuem alma, espírito. Esses espíritos se desenvolvem e em determinada altura ganham o poder de se materializar para seus pais e também para aqueles que praticam violência contra crianças.
É uma história sobre espíritos atormentados impedidos de reencarnar. Eles revoltam-se e começam a vingar-se das pessoas que cruzam seu caminho. Um detetive é chamado para investigar o caso e termina sendo vítima da fúria de um dos espíritos em particular, um antigo (nem tão) amigo de infância.
É um livro que desperta polêmicas, portanto, só pode ser muito, mas muito bom mesmo!

sábado, 16 de outubro de 2010

Biografia de Machado de Assis

Especialmente hoje, uma postagem a mais, e que postagem...
Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839 no Rio de Janeiro, filho de Francisco José de Assis, um mulato que pintava paredes, e Maria Leopoldina da Câmara Machado, lavadeira açoriana; e morreu em 29 de setembro de 1908 aos 69 anos de idade também no Rio de Janeiro, cidade a qual amava e onde se passam em geral suas narrativas.
Considerado como o maior nome da literatura nacional, escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Também não deixou de se envolver na (conturbada) política nacional da época (da qual não façlarei aqui). Ele é, também, considerado o introdutor do Realismo no Brasil, com a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881).
Sua extensa obra constitui-se de 9 romances e peças teatrais, 200 contos, 5 coletâneas de poemas e sonetos, e mais de 600 crônicas. Obra essa que foi de fundamental importância para as escolas literárias brasileiras do século XIX e do século XX e surge nos dias de hoje como de grande interesse acadêmico.
Foi (e ainda é!) tão importante para a literatura nacional (e internaional) que a Academai Brasileira de Letras (instituição que tem por fim "o cultivo da língua e a literatura nacional") é comumente chamada de “A Casa de Machado”, sendo ele o seu fundador.
A obra de Machado de Assis assume uma originalidade despreocupada com as modas literárias dominantes de seu tempo. Ele, como exímio intelectual e leitor, atribui a sua obra caráteres de arquétipos. Os irmãos Pedro e Paulo, em Isaú e Jacó, por exemplo, remontam ao arquétipo bíblico da rivalidade entre Caim e Abel, enquanto a psicose do ciúme de Bentinho em Dom Casmurro aproxima-se do drama Otelo, de William Shakespeare. Os acadêmicos também notam a constante presença do pessimismo. Suas últimas obras de ficção assumem uma postura desencantada da vida, da sociedade, e do homem. Crê-se que não acreditava em nenhum valor de seu tempo e nem mesmo em algum outro valor e que o importante para ele seria desmascarar o cinismo e a hipocrisia política e social.
A temática de Machado envolve desde o uso de citações referentes à eventos de sua época até os mais intricados conflitos da condição humana. Seus romances, por exemplo, tratam freqüentemente da escravidão sob o ponto de vista cínico do senhor de escravos, sempre criticando-o de forma oblíqua. Outra temática notada pelos acadêmicos na obra machadiana é a filosofia que lhe é peculiar. Há em sua obra um constante questionamento sobre o homem na sociedade e sobre o homem diante de si próprio.
Nunca é demais salientar que Toda leitura só tem à adicionar, mas Mahado de Assis é Machado de Assis!

Escrito nas Estrelas – Sidney Sheldon

Li este livro na semana passada, emprestado e indicado por uma colega de faculdade.
Nele Sidney Sheldon, mais uma vez, mostra o grande autor que é, retratando uma complexa e irresistível heroína, uma jovem predestinada, cujo trágico começo de vida não impede de transformar radicalmente seu futuro.
Seu 12º livro, conta a história da bonita e sensual Lara Cameron, natural de Glace Bay, uma cidadezinha do interior dos EUA, que impulsiona sua carreira de incorporadora imobiliária, dividida entre as atenções do amigo e admirador Howard Keller, do advogado misterioso e apaixonado (e por que não perigos?), Paul Martin, e do famoso pianista Philip Adler, que oferece a Lara um mundo novo e excitante, mas a um preço tão alto que ameaça destruir ambos.
O leitor está diante do romance mais passional de Sidney Sheldon, repleto de surpresas assombrosas e choques impressionantes, com reviravoltas e ameaças sem fim à heroína; e viajará ao passado, junto com a bem sucedida empresária Lara Cameron, até a cidadezinha de Glace Bay para descobrir como tudo começou, e entender a personalidade dessa corajosa e sonhadora mulher.
Com estilo direto incisivo, o autor cria um dos seus romances mais envolventes. Esperado por milhões de leitores, este clássico de Sheldon mostra ainda o jogo de mentiras e fraudes do mundo dos negócios internacional, o jogo da máfia italiana que ainda se faz presente no EUA, na trilha perigosa que conduz Lara Cameron ao sucesso e à fortuna, revelando o verdadeiro amor de sua vida e as intrincadas tramas de um destino que estava, como o próprio pai avisara, escrito nas estrelas.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Biografia de Stieg Larsson

Essa é curta porque ele não viveu muito...
Stieg Larsson nasceu em Skelleftehamm, Suécia no dia 15 de agosto de 1954, foi um dos mais influentes jornalistas e ativistas políticos suecos. Trabalhou na destacada agência de notícias TT. À frente da revista Expo, fundada por ele, denunciou organizações neofacistas e racistas. É co-autor de Extremhögern, livro sobre a extrema direita em seu país.
Por causa de sua atuação na luta pelos direitos humanos, recebeu várias ameaças de morte.
Em 2004, aos cinquenta anos, pouco após entregar aos seus editores os manuscritos da Trilogia Millennium, morreu vítima de um ataque cardíaco. Tragicamente, não viveu para assistir ao fenômeno mundial em que a sua obra se tornou. Há quem acredite que parte desse sucesso todo é devido à morte inesperado do escritor, mas ninguém ousa desmerecer sua genialidade.

sábado, 9 de outubro de 2010

Assassinato no Expresso do Oriente – Agatha Christie

Esta que considerada a obra-prima de Agatha Christie, foi o 1º livro que eu li da renomada escritora. Deste então não parei mais de lê-los!!!
Hercule Poirot embarca no Expresso do Oriente em Istambul. O comboio está estranhamente cheio para aquela altura do ano, mas Poirot fica com um lugar assegurado pelo amigo Monsieur Bouc, director da Compagnie Internationale des Wagons-Lits.
Nessa noite, perto de Belgrade, nosso herói acorda com um som estrondoso, parecendo ter vindo do compartimento ao lado do seu, ocupado por Mr. Ratchett. Quando Poirot espreita pela sua porta, vê o revisor bater à porta de Mr. Ratchett e a perguntar se ele está bem. O homem responde em francês: "Ce n'est rien. Je me suis trompé." (o bom em ler as aventuras de Poirot, é que elas são recehadas de expresões em francês^^), que quer dizer "Não é nada. Eu me enganei", e a seguir o revisor vai-se embora para atender a uma campainha. Poirot volta para a cama. Enquanto está deitado, ouve Mrs. Hubbard tocar urgentemente a campainha. Quando Poirot chama o revisor para lhe pedir água, o revisor diz-lhe que Mrs. Hubbard acha que alguém esteve no compartimento dela, e que o comboio parou devido a uma tempestade de neve. O revisor vai-se embora e Poirot tenta ir dormir outra vez, mas é acordado de novo pelo barulho de um baque na sua porta. Desta vez, ele levanta-se e olha para fora do compartimento, e o corredor está completamente silencioso, e não vê nada a não ser uma mulher, de costas, vestida com um quimono escalarte, a desaparecer ao fundo do corredor.
No dia seguinte, Hercule Poirot fica sabendo que Mr. Ratchett foi esfaqueado doze vezes enquanto dormia. Porém, as pistas e as circunstâncias são muito misteriosas, algumas das chagas são muito profundas e algumas são superficiais. Para além disso, algumas delas parecem ter sido feitas por uma pessoa canhota e algumas por uma destra. Ele encontra muitas outras pistas no compartimento da vítima e no comboio, no entanto, cada pista aponta para suspeitos diferentes, o que sugere que algumas das pistas foram encenadas.
Poirot descobre que Mr. Ratchett era um fugitivo dos E.U.A muito conhecido chamado Cassetti. Cinco anos antes, Cassetti raptara uma criança norte-americana de três anos de idade chamada Daisy Armstrong. Embora a família Armstrong tenha pago uma quantia considerável, Cassetti matou a pequena menina e fugiu do país com o dinheiro. A mãe de Daisy, Sonia Armstrong, estava grávida quando soube da morte de Daisy, e o choque dessa notícia levou-a a parto prematuro e Sonia e o bébé acabaram por morrer. O seu marido acabou por se suicidar e a empregada de Mrs. Armstrong, Suzanne, foi considerada suspeita pela polícia, apesar de afirmar que estava inocente, acabando por se suicidar também, atirando-se de uma janela. Pouco tempo depois foi considerada inocente.
À medida que as provas se juntavam, continuavam a apontar em caminhos diferentes e parecia que o detetive estava sendo desafiado por uma mente deveras inteligente. Uma pista que continuava desaparecida - o quimono escalarte usado por uma mulher desconhecida - acabaria por aparecer na bagagem do próprio Poirot.
Depois de meditar sobre as evidências, Poirot reúne os doze suspeitos, mais Monsieur Bouc e o Doutor Constantine na carruagem-restaurante. Ele explica que existem duas explicações possíveis para o assassinato de Ratchett. Ele então define as duas soluções e pergunta ao diretor dos Wagons-Lits que explicação ele pensa estar mais correta. Estando a sua tarefa concluída, Poirot diz que tem "a honra de se retirar do caso."

sábado, 2 de outubro de 2010

A Senhora do Jogo – Sidney Sheldon e Tilly Bagshawe

Há alguns anos eu li um livro que muito me interessou, era O Reverso da Medalha, considerado a Obra Prima de Sidney Sheldon, um dos maiores escritores da era moderna.
O livro conta a história de um jovem, Jamie McGregor que sai do Reino Unido para tentar ganhar a vida da África do Sul; depois de muitas intempéries, ele consegue fazer fortuna e vai para os Estados Unidos, lá ele funda uma empresa, a Kruger-Brent, que ao longo dos anos passa a ser uma das maiores dos Estados Unidos durante a direção da filha dele, Kate Blackwell. A família Blackwell se torna uma das mais influentes do mundo a medida que a Kruger-Brent cresce. O livro termina com Kate Blackwell muito velha e a empresa sendo administrada pelo marido de uma de suas netas.
Sheldon morreu (depois de escrever muitos outros livros maravilhosos) e uma de suas fãs (que também é escritora) Tilly Bagshawe é convidada pela família Sheldon para continuar a escrever o livro que Sidney teria manifestado intenção de publicar antes de morrer. Transformar o nome Sidney Sheldon em uma marca de livros, não foi uma das melhores decisões da família, pois apesar de garantir que suas contas bancárias continuem muito rentáveis, isso também vulgariza o trabalho do escritor.
Mas vamos finalmente à história de A Senhora do Jogo:
O livro conta os acontecimentos logo após a morte de Kate. Peter Templeton continua a administrar a empresa. Mas todos sabem que uma grande disputa está por vir, ou Lexi Templeton, filha de Alexandra (a preferida de Kate), ou Max Webster (filho de Eve, irmã gêmea de Alexandra) deverá assumir as rédeas da empresa.
Lexi, nossa nova senhora do jogo, passa por provações diversas durante o livro, ainda na infância ela é raptada, estuprada e perde a audição. Durante sua vida adulta ela passa por altos e baixos mais constantes que os já comuns na família Blackwell. Por mais de uma vez ela perde tudo e tem que recomeçar do zero. Mas ela sempre consegue o que quer, de recuperar a audição, à presidência da Kruger-Brent.
Max foi moldado desde criança por Eve para conseguir sua vingança. Ele é um grande antagonista, comete atrocidades, e atrapalha Lexi além da conta, mas no final sucumbe ante o peso do rancor de sua mãe.
A autora não é comparável à Sidney Sheldon, nem mesmo escrevendo um livro dele. Não há o fator surpresa característico de suas obras, Lexi Templeton não é como a maioria das grandes heroínas criadas por ele e o final parece ser um pouco forçado, o livro termina como se não tivesse terminado, não há o fechamento. Talvez isso seja para garantir uma continuação do livro. Se for o caso e ela conseguir mais uma chance de continuar a saga dos Blackwell, espero que ela amadureça até lá!

sábado, 25 de setembro de 2010

Biografia de Danielle Steel

Danielle Fernande Dominique Schuelein-Steel nasceu, em Nova Iorque, no dia 14 de agosto de 1947. Porém passou a maior parte da sua infância na França. Desde muito cedo interessa-se por literatura, e durante sua adolescência escreveu poesias. Editou seu primeiro romance em 1973, de título Going Home (O Apelo do Amor). Com o seu quarto romance, The Promisse (O Segredo de uma Promessa), lançado em 1978, Danielle obtém o indestronável estatuto de autora de best-sellers tendo editado mais de 60 romances
Mãe de nove filhos e casada por cinco vezes, Steel viveu períodos de agitação sentimental. Em 1998 edita o livro O Brilho de Sua Luz (His Bright Light), sobre a vida e morte de seu filho, Nicholas Traina. Diagnosticado com transtorno bipolar e usuário de drogas, Nicholas suicidou-se em 1997.
É muito conhecida por suas histórias de dramas românticos e já vendeu mais do 560 milhões de cópias dos seus livros, traduzidos em 28 línguas e vendidos em 47 países. Os seus romances estiveram na lista de best-sellers do New York Times mais de 390 semanas consecutivas e 22 foram adaptados para televisão. Em 2001 ela foi considerada uma das "30 Mulheres mais Poderosas da América" pelo Ladies' Home Journal.
Com base nas suas próprias dificuldades pessoais românticos, Steel escreveu Promise Paixão, sobre uma socialite que se apaixona por um ex-presidiário, após a morte de seu segundo marido.
Ela também se aventurou na ficção para crianças, encerrando uma série de 10 livros ilustrados para os jovens leitores. Esses livros, conhecidos como o “Max e Martha", são séries como objetivo ajudar as crianças que enfrentam os problemas da vida real: novo bebê, nova escola, a perda do ente querido.
Determinada há passar tanto tempo quanto possível com seus filhos, muitas vezes Danielle escreveu durante a noite, fazendo com que apenas quatro horas de sono, para que ela pudesse estar com seus filhos durante o dia. Ela é uma autora prolífica, tendo muitas vezes a liberação de vários livros por ano.

sábado, 18 de setembro de 2010

O Alienista – Machado de Assis

Há um preconceito em relação aos clássicos da literatura, costuma-se pensar erroeamente que são chatos e difíceis de ler, mas a maioria não é assim. Como exemplo traga aqui um bom livro, que conta a história de Simão Bacamarte, médico conceituado em Portugal e na Espanha, que decide enveredar-se pelo campo da psiquiatria e inicia um estudo sobre a loucura e seus graus, classificando-os. Se instalou em Itaguaí,onde Funda a Casa Verde, um hospício na vila de Itaguaí e abastece-o de cobaias humanas ,para as suas pequisas.
Passa a internar todas as pessoas da cidade que ele julgue loucas; o vaidoso, o bajulador, a supersticiosa, a indecisa, etc. Costa, rapaz pródigo que dissipou seus bens em empréstimos infelizes, foi preso por mentecapto. A prima de Costa que intercedeu pelo primo também foi trancafiada. O mesmo acontece com o poeta Martim Brito, amante das metáforas, internado por que se referiu ao Marquês de Pombal como o dragão aspérrimo do Nada. Nem D. Evarista, esposa do Alienista escapou: indecisa entre ir a uma festa com o colar de granada ou o de safira. O boticário, os inocentes aficcionados em enigmas e charadas, todos eram loucos.
No começo a vila de Itaguaí aplaudiu a atuação do Alienista, mas os exageros de Simão Bacamarte ocasionaram um motim popular, a rebelião das canjicas, liderados pelo ambicioso barbeiro Porfírio. Porfírio acaba vitorioso, mas em seguida compreende a necessidade da Casa Verde e alia-se a Simão Bacamarte. Há uma intervenção militar e os revoltosos são trancafiados no hospício e o alienista recupera seu prestígio. Entretanto Simão Bacamarte chega á conclusão de que quatro quintos da população internada eram casos a repensar. Inverte o critério de reclusão psiquiátrico e recolhe a minoria: os simples, os leais, os desprendidos e os sinceros. O alienista contudo, imbuído de seu rigor científico percebe que os germes do desequilíbrio prosperam porque já estavam latentes em todos. Analisando bem, Bacamarte verifica que ele próprio é o único sadio. Por isso internou-se na Casa Verde, onde morreu dezessete meses depois. Apesar do boato de que ele seria o único louco de Itaguaí, recebeu honras póstumas.
É um livro curto, e que todo brasileiro deveria ler!

sábado, 11 de setembro de 2010

Biografia de Douglas Adams

Douglas Noël Adams nasceu em Cambridge, Inglaterra, no dia 11 de março de 1952, e faleceu em Santa Bárbara, EUA, no dia 11 de maio de 2001. Entre esses dois eventos ele ficou espercialmente conhecido por escrever a séire de livros “ O Mochileiro das Galáxias”.
Ele nasceu em Cambridge, Inglaterra, filho de Janet Adams e Christopher Douglas Adams. Seus pais tiveram outra filha juntos, Susan. Em 1957, seus pais se divorciaram e Douglas mudou-se para a casa dos avós maternos com a mãe e a irmã. A avó de Douglas mantinha em casa um refúgio oficial para animais machucados. O contato com os animais intensificou a febre dos fenos a e asma do jovem.
Os fãs e amigos de Adams o descreveram também como um ativista ambiental, um assumido ateísta radical e amante dos automóveis possantes, câmeras, computadores e outros 'apetrechos tecnológicos'. O biólogo Richard Dawkins dedicou-lhe seu livro The God Delusion e nele descreve como Adams compreendeu a teoria da evolução e, tornou-se um ateísta. Adams era um entusiasta de novas tecnologias, tendo escrito sobre email e usenet antes de tornarem-se amplamente conhecidos. Até o fim de sua vida, Adams foi um requisitado professor de tópicos que incluíam ambiente e tecnologia.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

House of night: Tentada – P .C. e Kristin Cast

A continuação da série Morada da noite começa um pouco parada, mas logo retoma seu ritmo esperado, e aí, não para mais. Zoey está, como sempre, envolvida com seus dramas adolescente, mas agora além de ser tentada por seus três quase namorados, Kalona também está tentando conseguir um lugar no seu coração (ou cama), já muito disputado.
Ele a visita sempre que ela dorme, não se importando se ela está ou não está acompanhada.
Ela e seus amigos aparentemente conseguiram expulsar Kalona e Neferet de Tulsa, mas agora têm que voltar à Morada da Noite e colocá-la nos eixos novamente, já que agora Zoey é a Grande Sacerdotisa. Porém ainda encontraram resistência por parte dos que ainda são fieis à Kalona (a quem insistem em chamar de Erebus!).
Stevie Era, também está com problemas com seus novatos vermelhos rebeldes, e com Rephaim, seu novo carimbado.
É só nos últimos capítulos que compreendemos o porquê de “Tentada”. E é também aí que ficamos muitos chocados com duas mortes deveras inusitadas.
Estou louco para ler a seqüência (novidade né?!?), mas não imagino o que possa ser feito para concertar o rombo que as autoras fizeram no final desse livro!

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Os Imortais: Lua Azul – Alyson Noel


É o segundo volume da série aborda o tema romance sobrenatural, fala sobre seres imortais e mistura alquimia, misticismo e magia.
Ever agora é uma imortal, realizada ao lado do seu amor imortal (ou companheiro eterno, ela não sabe como definir) Damen, que irá lhe ensinar como usar seus poderes, visitar Summerland e controlar seus dons.
Eles estão prestes a consumar o seu amor, o que não conseguiram fazer em 4 séculos de amor interrompidos incessantemente por Drina, mas agora que ela está fora do caminho, é apenas uma questão de tempo. Ever está sendo impedida por seus ciúmes, pois Damen tem 600 anos de experiência a mais que ela.
No meio as suas crises de ciúme e indecisão, um novo aluno chega a Escola. Roman é bonito, simpático e logo fica amigo de todos, menos de Ever (que sem nenhuma razão concreta e apesar da sua aura limpa e cheia de bons fluidos não consegue confiar nele). E quando coisas estranhas começam a acontecer com Damen e todos da Escola, de alguma forma ela desconfia de Roman, mas não sabe se sua desconfiança tem fundamento.
De repente Damen deixa Ever plantada esperando por ele, e na semana seguinte quando eles se reencontram, ele está mudado, ele perdeu o interesse por ela, está dando em cima de outras garotas e a escola toda se volta contra Ever. Sem contar o fato de que Damen parece estar adoecendo, mesmo sendo um imortal.
Ever pede ajuda à Ava, e juntas elas descobrem muitas respostas em Summerland. E também descobrem como voltar no tempo. O problema é que esta oportunidade só acontece entre vários anos e com a lua azul que se aproxima ela deverá tomar uma decisão muito difícil. Ficar no presente para salvar Damen ou voltar ao passado e salvar sua família do acidente trágico que os matou. A decisão irá mudar toda sua vida.
O final é inconclusivo, acho que a autora quis levantar um suspense para o próximo livro. Mas, pelo menos, nesse livro muitas coisas são explicadas.
Não vejo a hora de ler o próximo!

sábado, 4 de setembro de 2010

Os Imortais: Para Sempre – Alyson Noël


Um terrível acidente abala a vida de Ever, depois de ser, inexplicavelmente, salva, ela vai morar com sua tia, Sabine, e desenvolve poderes sobrenaturais, tais como se comunicar com o fantasma de sua irmã, ler a mente das pessoas, enxergar usas auras, ou saber tudo à respeito delas com apenas um toque.
Isso é muito irritante para ela, pois ela não tem paz um momento sequer. Ela entende esse dom, como uma punição por ter sobrevivido ao acidente que matou sua família. Mas tudo começa a mudar quando Damen Auguste, um jovem de extraordinária beleza, emancipado, rico e surpreendente, entra na escola e na vida de Ever.
Eles se apaixonam e começam um (muito confuso) romance. Com a presença, a fala ou o toque dele, ela deixa de escutar os pensamentos à sua volta, mas isso não é tudo, ele é imune aos dons dela, e pelo contrário parece que ele é quem lê a mente dela.
No desenrolar da história aparece uma garota que se assemelha a Damen em tudo (aparência, e imunidade à Ever), naturalmente ela desperta os ciúmes de nossa personagem. Ever associa os fatos e chega à conclusão de que Damen é um vampiro. Mas para a surpresa dos leitores, ele revela que não o é. Que na realidade é um Imortal, mas Ever surta e termina com ele.
Temos depois ela descobre que Drina (a tal garota) revela também ser uma imortal e ataca Ever, dizendo que isso se repete várias vezes através dos séculos, que ela foi quem provocou o acidente que matou sua família e que é esposa do Damen. Contrariando todas as probabilidades Ever escapa com a ajuda de Damen, que depois conta toda a sua história para ela.
O livro termina bem, mas tudo indica que nas continuações, novos problemas surgirão. É um ótimo livro, contraria as expectativas de ser mais um livro sobre vampiros adolescentes, se mostra quase uma lição reencarnações, amor e ódio cármicos, além de ser muito empolgante!

sábado, 28 de agosto de 2010

Percy Jackson & Os Olimpianos: O Último Olimpiano - Rick Riordan

(Continuando e finalizando...)
Percy Jackson e seus amigos lutam em uma guerra assemelhando-se a guerra inicial entre os deuses gregos e os Titãs e em uma batalha final com o poderoso Titã, Lorde Cronos.
Percy e Luke mergulham no Rio Estige e recebem a maldição de Aquiles. A grande profecia diz: Um meio-sangue, dos deus antigos filho, Chegará aos dezesseis apesar de empecilhos Num sono sem fim o mundo estará E a alma do herói, a lâmina maldita ceifará Uma escolha seus dias vai encerrar O olimpo preservar ou arrasar.
A Grande Profecia não se aplica para Percy mas sim para Luke. Rachel conta isso para Percy dizendo para ele que isso vai influenciar sua escolha quando ele fizer 16 anos. Luke, possuído por Cronos, eventualmente fica chocado e volta para seu estado normal quando Annabeth lembra ele da promessa que ele fez a ela muito tempo atrás, de que eles seriam uma família. A 'lâmina maldita' da profecia era a faca que Luke deu para Annabeth. Poseidon ajuda, e os Olimpianos recuperam seu poder. Luke se mata atingindo seu ponto de Aquiles com a lamina de Annabeth dada por Percy. A grande profecia depende da decisão de Percy de entregar a faca a Luke ao invés de matá-lo.
Os deuses providenciam a Percy, Grover, Annabeth e Tyson um desejo. Tyson torna-se General do exército de Ciclopes, e a arma que eles concedem a pedido dele é um Porrete; Grover recebe um lugar no Conselho de Anciãos de Casco Fendido e se torna o novo Lorde Selvagem. Annabeth começa a reconstruir o Olimpo. Vendo todos os danos causados, Percy faz os deuses prometerem pelo Rio Estige que eles vão reconhecer todas as suas crianças quando fizerem 13 anos. Ele também pede para construirem chalés para os deuses menores, como Hécate e Morfeu e um para os filhos de Hades. Ele prefere fazer este desejo do que ganhar imortalidade. Rachel Elizabeth Dare se torna o novo oráculo. Percy e Annabeth se tornam um casal e depois do seu segundo beijo, Clarisse e todos os seus outros amigos sobreviventes mergulham eles no lago, para lhes dar privacidade, onde eles compartilham um beijo de baixo d'água.
Riordan já anunciou que está escrevendo uma nova série de aventuras para o acampamento meio-sangue. Agora é só esperar!

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Percy Jackson & Os Olimpianos: A Batalha do Labirinto - Rick Riordan

(Continuando mais uma vez...)
No começo do livro, Percy vai à uma aula de orientação na sua nova escola, Goode. Lá, ele encontra Rachel Elizabeth Dare, uma mortal que salvara sua vida, e ele é atacado por líderes de torcida demoníacas. Percy foge da escola e encontra Annabeth. Juntos, eles retornam para o Acampamento Meio-Sangue.
Percy percebe que o Acampamento está estranho e Annabeth conta a ele sobre "O Labirinto", parte do palácio do Rei Minos em Creta que, de acordo com a Mitologia Grega, foi projetado por Dédalo. Segundo ela, Luke estava planejando usar o Labirinto para invadir o Acampamento, liderando seu exército direto para o coração da resistência dos Meio-Sangue. Ela também diz que Clarisse já havia feito investigações no subterrâneo. Enquanto isso, Percy conhece o novo instrutor de esgrima, que possui um cão infernal gigante de estimação. Durante um jogo projetado pelo instrutor, Annabeth e Percy acabam achando a entrada para o Labirinto. Então, Quíron convoca uma missão para tentar encontrar Dédalo antes de Luke, pois o inventor era o único que possuía o fio de Ariadne, o objeto capaz de tornar a navegação possível no Labirinto.
Annabeth, Percy, Grover e Tyson partem pelo Labirinto à procura do Laboratório de Dédalo. Porém, eles se deparam com muitos obstáculos, como um esfinge e campe, salvam Briareu (o último centímano), e não conseguem encontrar uma maneira de entender e andar pelo Labirinto sem se perderem. Todavia, quando eles são encurralados por Jano, o deus da dúvida, Hera surge e diz à Annabeth que Percy sabia como achar o caminho, apesar de não perceber. A deusa também aconselha-os a visitar Hefesto, que poderia ajudá-los.
Percy, Annabeth, Tyson e Grover encontram o Deus dos Metais, que diz que só contará a eles sobre Dédalo em troca de um favor: eles teriam que investigar e descobrir quem estava usando suas forjas escondido. Porém, quando eles chegam ao vulcão, que é o lugar das forjas, Grover descobre um túnel que ele acha que levará até Pan. O sátiro e Tyson então, seguem por esse túnel e Percy e Annabeth continuam até as forjas, onde eles descobrem que telquines estavam forjando uma nova arma para Cronos. Percy diz à Annabeth para ela ir avisar Hefesto enquanto ele distraía os telquines. Eles se beijam antes de Annabeth partir. Ele, sem querer, explode o vulcão. Quando acorda, está na ilha de Calypso. Ele passa um tempo com a garota na ilha, até que Hefesto vem visitá-lo e diz que ele precisa escolher entre ficar na ilha para sempre e voltar para seus amigos. O deus também dá uma dica de como navegar no Labirinto.
Quando Percy retorna ao Acampamento, ele percebe que todos achavam que estava morto. Não havia notícias de Grover e Tyson,o professor de esgrima estava desaparecido e ele e Annabeth resolvem continuar a missão sozinhos. Então ele pede ajuda à sua amiga mortal, Rachel. Ele havia percebido que ela podia ver através da Névoa, por isso conseguiria ver também o caminho no Labirinto. Com ajuda dela, Percy e Annabeth encontram o laboratório de Dédalo, e descobrem que o famoso arquiteto é seu o instrutor desaparecido do Acampamento. Dédalo confessa que já havia dado o fio de Ariadne à Luke. Então, Percy, Annabeth, Rachel e Nico (eles haviam reencontrado o garoto) fogem do laboratório com as asas de Dédalo. Mas eles voltam ao Labirinto logo depois, aonde encontram uma passagem para o reino dos Titãs. Percy vê Cronos renascer dentro do corpo de Luke, Rachel se revela acertando o olho do poderoso titã com uma escova de plástico azul e Nico salva a todos. Eles fogem novamente e reencontram Grover e Tyson. Juntos, eles acham o Deus Pan, que morre em seguida, deixando-os uma mensagem. Eles retornam ao Acampamento Meio-Sangue, deixando Rachel para trás. Luke usa o fio de Ariadne para liderar um ataque ao acampamento. Grover vem ao salvamento e provoca um pânico para afastar o inimigo. Depois da batalha, Dédalo sacrifica-se para fechar o Labirinto, que é ligado à sua vida. Antes de morrer, porém, ele presenteia Annabeth com um laptop contendo alguns de seus projetos. O livro termina no dia do aniversário de Percy. (Se você achou confuso é porque ainda não leu!)

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Percy Jackson & Os Olimpianos: A Maldição do Titã - Rick Riordan

(Continuando de novo...)
Percy, Grover, Annabeth e Thalia vão para uma escola recrutar dois poderosos semideuses (Nico e Bianca di Angelo). Durante a missão, eles são atacados por um manticore. As Caçadoras de Ártemis aparecem e atacam o monstro, mas Annabeth cai de um alto penhasco com ele.
Mais tarde eles descobrem que Annabeth e Ártemis foram raptadas e são designados 5 heróis para uma missão: três Caçadoras e dois campistas, e Percy não estava incluído neste grupo, mas uma das Caçadoras é envenenada por uma camiseta com sangue de centauro e não pode ir, então Percy, acompanhado por Grover, Thalia e duas Caçadoras de Ártemis, Zoë Nightshade (tambem chamada de Zoe Doce-Amarga) e Bianca, agora uma Caçadora, vão para uma missão resgatá-las.
Bianca di Angelo se sacrifica para salvar os outros no ferro-velho de Hefesto. No final, o pai de Annabeth aparece para ajudar; Percy com a ajuda de Ártemis conseguem distrair Altas (o titã amaldiçoado de sustentar todo o peso dos céus em suas costas), assim o devolvendo à seu castigo. Contudo, Zoë, sua filha, é morta por ele e o veneno de Ladón, por isso Ártemis a transforma em uma constelação. A deusa tem que escolher outra pessoa para substituir Zoë, e Percy fica com medo que seja Annabeth, pois Afrodite aparece no meio do caminho e o faz perceber o quanto a ama, no entanto Ártemis chama Thalia, que decide juntar-se as caçadoras para nunca fazer 16 anos e não completar a profecia (ficou parecendo que ela fugiu da raia). Quando eles voltam ao acampamento, Nico, indignado com a morte de sua irmã, deixa o acampamento e revela-se um filho de Hades. E Percy ganha um novo inimigo.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Percy Jackson & Os Olimpianos: O Mar de Monstros - Rick Riordan

(Continuando...)
Percy tem um sonho em que Grover está sendo perseguido por um monstro e pedindo socorro, e quando chega ao acampamento descobre que a árvore de Thalia foi envenenada. Ele tem outro sonho com Grover e descobre que ele foi capturado por Polifemo, o Ciclope e está em uma ilha no Mar de Monstros enquanto estava a procura do Deus Pã. Então Percy e Annabeth decidem pedir uma missão para salvar Grover e a árvore de Thalia, indo em direção ao Mar de Monstros, mas como Quíron foi demitido o sr.D decide chamar um velho amigo para ocupar esse lugar: Tântalo. então o mesmo decide que quem irá nesta missão será Clarisse, filha de Ares o Deus da guerra, ela atrapalha tudo no ínicio.
Ele, Annabeth e Tyson (meio-irmão de Percy), partem para pegar o Velocino de Ouro que está com Polifemo; eles fogem do acampamento depois que Hermes (pai de Luke) os ajuda com presentes para a missão. Eles acabam indo a bordo do cruzeiro Princesa Andrômeda, que mais tarde descobrem ser o navio em que Luke está treinando monstros. Dentro do navio eles encontram um caixão de três metros. Dentro do caixão está os pedaços de Cronos. Eles conseguem fugir do navio e partem para uma ilha, onde encontram Clarisse e partem com ela para o mar de monstros. Quando tentam atravessar a passagem para o mar de monstros o navio é destruido e eles se perdem de Clarisse e Tyson.
Encontram mais desafios pela frente mas logo chegam à Grover que agora está com Clarisse. Eles enfrentam Polifemo e finalmente conseguem o Velocino de Ouro. Chegando ao acampamento Clarisse pendura o Velocino na árvore. Alguns dias depois do ocorrido Thalia a filha de Zeus é expelida da árvore. Ao que tudo indica, toda a aventura foi apenas mais um ardil de Cronos.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Percy Jackson & Os Olimpianos: O Ladrão de Raios - Rick Riordan

Riordan inova ao trazer de volta os temas mitológicos. O autor coloca os Deuses gregos na atualidade, junto com seus filhos e seus inimigos. A série de cinco livros conta com os seguinte títulos: O Ladrão de Raios, O Mar de Monstros, A Maldição do Titã, A Batalha do Labirinto e O Último Olimpiano.
O primeiro livro conta a história de um garoto de doze anos, que dá nome à série, diagnosticado com dislexia e síndrome de déficit de atenção, que é constantemente expulso das escolas não por culpa própria. Em uma excursão para um museu, ele joga água numa menina de sua escola, a professora de álgebra, conhecida como sra. Dodds, o leva para dentro do museu enquanto todos estão lá fora. Ela se transforma em uma fúria e tenta matá-lo. Para sua surpresa, o seu professor de latim o ajuda jogando uma espada (Anaklusmos, a Contracorrente) para Percy, que consegue matar o monstro.
Uma noite, ele escuta seu melhor amigo, Grover (um sátiro), conversando com Quíron, seu professor. Depois de sonhos com uma águia na praia brigando com um cavalo, sua mãe lhe manda para o Acampamento Meio-Sangue, um acampamento para outras crianças com um(a) pai/mae deus(a) grego(a). Ao chegar no acampamento, sua mãe é atacada por um minotauro, que a captura. Não muito tempo depois de sua chegada, Poseidon reclama Perseu Jackson como seu filho. Após isso, Percy é tido como culpado pelo sumiço do Raio Mestre de Zeus por ser filho de Poseidon, com quem Zeus tem uma rivalidade. Ele tem 10 dias para encontrar o Raio Mestre e leva-lo de volta para o Monte Olimpo. Caso contrário Zeus declarará guerra contra Poseidon.
Percy parte em uma missão com seus amigos Annabeth Chase e Grover Underwood, na qual ele é perseguido por diversos monstros. No início ele sugere que foi Hades quem roubou o Raio, mas depois descobre que não foi ele, mas sim Ares que por sinal roubou também o elmo de Hades, mas quem o influenciou foi Luke que estava sob o comando de Cronos,o titã. Após recuperar o Raio Mestre, ele vai ao Olimpo. Lá ele encontra seu pai com o qual tem uma breve conversa. Percy entrega o Raio à Zeus e tudo fica (relativamente) calmo.

Biografia de Markus Zusak

Continuando com as breves biografias de meus autores favoritos, agora é a vez de Markus Frank Zusak, australiano, nascido em Sidney no dia 23 de junho de 1975.
É o mais novo de quatro filhos de um austríaco e uma alemã. Markus cresceu ouvindo histórias a respeito da Alemanha Nazista, sobre o bombardeio de Munique e sobre judeus marchando pela pequena cidade alemã de sua mãe. Ele sempre soube que essa era uma história que ele queria contar.
Aos 30 anos, Zusak já se firmou como um dos mais inovadores e poéticos romancistas dos dias de hoje. Com a publicação de "A Menina que Roubava Livros", ele foi batizado como um "fenômeno literário" por críticos australianos e norte-americanos. Zusak é o autor vencedor do prêmio de quatro livros para jovens: "The Underdog", "Fighting Ruben Wolfe", "Getting the Girl", e "Eu Sou o Mensageiro", receptor de um Printz Honor em 2006 por excelência em literatura jovem. Markus Zusak vive em Sydney com sua esposa e sua filha. Gosta de surfar e assistir filmes em seu tempo livre.

sábado, 21 de agosto de 2010

Zoya – Danielle Steel

O livro narra a vida da jovem condessa Zoya Konstantinovna Ossupov (que relutava em usar o título da família), prima do Czar Nicolau da Rússia. A história começa com referências aos bons e saudosos momentos vividos pelas duas famílias, que, com o descontentamento da população russa, vêm seus mundos virarem de pernas para o ar.
É neste cenário que a Revolução Russa estala, em 1917, e tanto a família real, como a família de Zoya morrem, havendo apenas uma escassa esperança de sobrevivência para Zoya, sua avó e o seu fiel Feodor. Sendo obrigados a fugir do seu país natal, trazem algumas "pequenas riquezas" escondidas e o essencial para viverem, e partem para Paris em busca de uma nova vida.
De um momento para o outro, passam de uma vida de ostentação e riqueza para uma vida de pobreza e desconforto, praticamente sem dinheiro nenhum. Zoya, sentindo que tem o dever da cuidar da avó, arranja trabalho como bailarina no Balé Russo, indo contra todas as aspirações da avó para o seu futuro. Numa visita após um bem sucedido espetáculo de balé, Zoya conhece um soldado americano estacionado em Paris e apaixona-se por ele. Evgenia (a avó) foi terminantemente contra esta relação, pois achava que ela não devia sair com pessoas de fora da sua classe social.
Ela morre (provocando verdadeira desolação na neta), e Zoya se casa com Clayton Andrews, o soldado americano, depois do final da I Guerra Mundial. Deste modo, partem para a América, onde são muito felizes e têm tudo, não precisando passar qualquer necessidade.
Mas mais uma vez, no ano de 1929, a sua vida e o seu mundo mudaram. Dá-se a Depressão na bolsa e Clayton incapaz de sobreviver à perda de todos os seus bens e de olhar nos olhos da sua mulher, decide suicidar-se, deixando duas crianças ao encargo de Zoya. Ela volta a passar por necessidades, mas agora não pode pensar só nela, tem que pensar igualmente nos filhos. Ela luta contra a depressão e, mais tarde, apaixona-se por Simon Hirsch, um comerciante de roupas.
A vida começa a sorrir de novo... tem a sua própria loja, onde ajuda os clientes com as suas acertadas opiniões e consegue voltar a ter uma vida estável. Quando tudo parecia ir bem, Simon vai à guerra e morre, mas dessa vez, com a viuvez ela fica ainda mais rica, ela não passará mais por necessidade.
Por todos estes momentos houve sempre uma peça que a acompanhou: um ovo imperial, uma memória irrefutável do seu passado.
Esta história tem como pano de fundo as grandes mudanças sociais e políticas que tiveram lugar ao longo do séc. XX, desde a revolução russa de 1917 até aos acontecimentos dos anos 80, passando pelas duas grandes guerras mundiais e pelo crash de 1929; o que faz dela não só um bom romance, mas também um bom relato histórico do referido século.

sábado, 14 de agosto de 2010

O Mochileiro das Galáxias – Douglas Adams


A série é (segundo o autor) uma trilogia de cinco, seus títulos são “O Guia do Mochileiro das Galáxias”, “O Restaurante no Fim do Universo”, “A Vida, O Universo e Tudo Mais”, “Até Mais e Obrigado Pelos Peixes” e “Praticamente Inofensiva”.
Não se preocupe o conteúdo do livro deixa o leitor tão desconcertado quanto os títulos.
É inovador ao misturar ficção científica, comédia e crítica sócio-política.
O autor foi genial ao criar personagens, lugares e substantivos tão excêntricos e curiosos. Ao ler é impossível não rir e se envolver com a história.
Os livros narram a história dos amigos Arthur Dent (da Terra), Ford Prefect (de Betelguelse), Tricia McMilliam (da Terra) e Zaphod Beeblebrox (presidente do Governo Imperial Galático). Arthur e Ford são amigos na Terra, mas quando ela é destruída eles pegam carona em uma ou duas naves alienígenas e acabam em situações muito estranhas, com a outra terráquea e Zaphod.
Ainda no 1º livro eles descobrem que a Terra era na verdade um supercomputador responsável por ajudar os ratos a compreenderem a maior de todas as questões, cuja resposta é 42. Neste livro os nossos heróis só saem ilesos por causa da intervenção de Marvim, o robô maníaco depressivo que faz com que uma nave se suicide após um bate-papo com ele (foi a 1º de muitas vezes que ele os salva!). Eles fogem à bordo de uma nave roubada por Zaphod (o detalhe é que ele não sabe porque a roubou!).
No começo do 2º livro da série, nossos heróis estão sendo ameaçados por uma frota Vogon e pela impossibilidade de fugir causada pela falta de chá. Com a ajuda do falecido Zaphod Beeblebrox Quarto, eles fogem e Zaphod (o original) acaba por acaso – após escapar da maior maquina de tortura do Universo – descobrindo a razão de ter roubado a nave Coração de Ouro (que é encontrar o homem que rege o Universo). Depois de reencontrar os amigos, eles vão ao Restaurante no Fim do Universo (a palavra fim não se refere – como eu pensava antes de ler – ao espaço, mas sim ao tempo) e fazem uma agradável refeição oferecida pelo prato próprio principal. Depois disso eles sofreram um acidente causado por uma teleportadora defeituosa; Trilliam e Zaphod foram parar na cabana do homem que rege o Universo, Ford e Arthur foram parar na Terra Pré-histórica.
O 3º livro começa com Arthur ainda preso na Terra Pré-histórica, mas por pouco tempo. Em seguida ele e Ford, já na Terra dois dias antes da destruição, se deparam com o problema dos robôs xenófobos de Krikkit, que querem recuperar a chave que libertará seus mestres em Krikkit e depois destruir o Universo. A partir daí Arthur e seus amigos começam a perseguir os robôs para impedi-los. É claro que eles falham e Krikkit é liberada. Aí para variar, Arthur salva o Universo.
No 4º livro, tudo parece ter voltado ao normal, como se a Terra não tivesse sido destruída anos antes. E isso é incrivelmente assombroso para Arthur Dent. Ele está em sua casa (que também não foi destruída), tentando entender o que está acontecendo, e conhece uma garota de nome incomum, pela qual se apaixona. Eles passam longas noites voando e se amando. Até que eles descobrem que são as únicas pessoas que sabem que a Terra foi destruída, apesar de não parecer que os golfinhos desapareceram (além deles dois há um outro louco que também sabe e trancou o resto do planeta em um asilo que ele construiu). No final do livro Ford volta e os três arrumam uma maneira de saírem do planeta e descobrir o que está acontecendo.
O 5º livro é para mim o menos interessante (talvez o autor devesse ter para na trilogia original), Arthur Dent está à procura de um novo lar, já que a Terra foi destruída. Ele encontra um planeta com condições parecidas – o qual ele considera uma versão melhorada da Terra – e passa a ser o Fazedor de Sanduíches local. Trillian é uma repórter galáctica, viaja para todos os lados, ela resolve ser mãe, e como Arthur é o ultimo macho de sua espécie, ele usa um esperma dele (recolhido em um banco de espermas). A filha é um terror. Ford descobre que há algo de muito errado com o Guia. Há ainda uma série de eventos malucos que não levam a lugar nenhum.
Minha única opinião racional sobre os livros (levando em conta toda a construção ficcional que o autor fez, a interrelação entre os fatos e o magistral toque de sarcasmo) é: “Uau!” .
Naira, obrigado pela indicação!

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Biografia de Stephen King

Olá pessoal, agora que começou o meu quarto período na faculdade meu tempo de leitura diminui... mas prometo não abandonar o Blog.
Resolvi começar a postar aqui biografias de altores que eu gosto, e para começar:

Stephen Edwin King, que nasceu em Portland, EUA, em 21 de setembro de 1947.
Quando Stephen tinha apenas dois anos, seu pai, Donald Edwin King, abandonou a família. Sua mãe, Nellie Ruth Pillsbury, criou sozinha King e seu irmão mais velho adotivo David, muitas vezes passando por graves dificuldades financeiras.
Ainda criança, testemunhou um acidente horrível - um de seus amigos ficou preso em uma ferrovia e foi atropelado por um trem. Muitas pessoas falam que isso inspirou seu lado negro e suas criações perturbadoras, mas ele mesmo descarta essa idéia.
King era um leitor fanático dos quadrinhos EC's horror comics. Na escola, ele escrevia histórias baseadas nos filmes que assistia e as copiava com a ajuda de seu irmão David. King as vendia aos amigos, mas seus professores desaprovaram e o forçaram a parar.
De 1966 a 1971, Stephen estudou Inglês na Universidade do Maine em Orono, onde ele escrevia uma coluna intitulada "King's Garbage Truck" para o jornal estudantil, o Maine Campus. Ele conheceu Tabitha Spruce lá e se casaram em 1971. O período que passou no campus influenciou muito em suas histórias, e os trabalhos que ele aceitava para poder pagar pelos seus estudos inspiraram histórias como "The Mangler" e o romance "Roadwork" (como Richard Bachman, um pseudônimo). King ensinou inglês na Academia Hampden em Hampden, Maine. Ele e sua família moravam em um trailer, e ele escreveu histórias curtas, a maioria para revistas masculinas.
Stephen logo começou vários romances. Uma de suas primeiras idéias era uma moça jovem com poderes psíquicos, mas ele descartou a idéia. Sua esposa resgatou os esboços do lixo e o encorajou a voltar a escrever sobre isso. Após terminar o romance, ele o intitulou "Carrie, a estranha" e mandou para a Doubleday. Ele recebeu $2 500 dólares adiantados (não muito para um romance, mesmo naquela época), mas os direitos autorais fizeram com que ele recebesse $400 000 posteriormente. Pouco antes do livro ser publicado, sua mãe morreu de câncer no útero. Sua tia Emrine leu o romance para ela antes de sua morte.
King admitiu que nessa época ele estava constantemente bêbado e que foi alcoólatra por mais de uma década. Ele também constatou que baseou o personagem Jack Torrance, do livro O Iluminado, nele mesmo. Sua família e amigos intervieram, jogando fora, na sua frente, todos os seus vícios. Stephen King cortou o álcool e qualquer tipo de droga por volta de 1980 e se mantem sóbrio desde então. E o melhor, escrevendo constantemente!
Alguns de seus livros mais famosos são: “A Hora do Vampiro”, “A Coisa”, “Carie, a Estranha”, “A Espera de um milagre”, “O Apanhador de Sonhos”, "O Iluminado”, entre muitos outros.

sábado, 7 de agosto de 2010

Resultados da enquete sobre detetives

A pergunta era:
Qual o seu detetive preferido na Literatura?
Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle teve 9 votos (52,9%)
Hercule Poirot de Agatha Christie teve 6 votos (35,3%)
C. Auguste Dupin de Edgar Allan Por teve 2 votos (11,8%)
Enola Holmes de Nancy Springer teve 0 votos (0%)
Machado Machado de Jô Soares teve 0 votos (0%)

Total de votos: 17

A Incendiária – Stephen King

Admito, peguei esse livro na biblioteca municipal apenas para ter algo pra ler, mas acabei gostando da história, que é a seguinte:
Andy McGee e sua esposa Vicky foram usados numa experiência secreta enquanto eram adolescentes (e se conheceram por causa da experiência). Eles acabaram se casando e tendo uma filha, Charlene "Charlie" McGee. A garota herdou os genes modificados dos pais, e nasceu com o dom da pirocinesia, que significa que ela pode atear fogo em tudo que quiser, só com com a mente.
Charlie, como é pequena, não sabe controlar seus poderes, e acaba sendo avistada pela Oficina, uma sociedade secreta que investiga e explora humanos com poderes especiais. O livro já começa com Andy e Charlie fugindo de seus algozes (Vicky foi assassinada pelos capangas da Oficina).
A trama continua com a fuga desesperada de um pai tentando de todas as maneiras salvar a filha, contando com a ajuda de umas pessoas pelo caminho, Andy percebe que para escaparem dessa, Charlie talvez tenha que usar seus poderes para matar seus perseguidores.
(No decorrer da narrativa, o autor vai explicando melhor a história que começa um pouco confusa, mas que com o tempo se torna irresistível.)
Em seu encalço está o melhor agente da Oficina, Rainbird, um estranho índio que quer matar Charlie e olhar nos seus olhos, pois acredita que terá uma grande revelação por ela ser especial.
Pai e filha são capturados e levados para a sede da Oficina, lá eles são testados e seus poderes mentais medidos. Eles tentam se reencontrar para fugir dali, e para isso usam seus dons de modo diferente. Eles têm que enfrentar muitos desafios antes do final do livro.
Como muitos dos livros de King, este também foi adaptado para o cinema, como Chamas da Vingança.
Leia também a biografia do autor.

sábado, 31 de julho de 2010

O Iluminado – Stephen King


Mais um livro de Stephen King, esse sim é de terror (embora não tenha me assustado de verdade).
O livro conta a história de Jack Torrance um escritor que está tentando reconstruir a vida de sua família e, principalmente, a sua, tentando se curar do alcoolismo. Ele consegue o trabalho de zelador de inverno no isolado e imenso resort hotel Overlook, cujo passado é fantasmagórico. Esperando para provar a todos que ele se recuperou do alcoolismo, e agora tornou-se uma pessoa responsável, ele se muda para o Overlook com sua esposa, Wendy, e o jovem filho, Danny, que é telepata e sensível a forças sobrenaturais.
Logo após a família chegar no hotel, Danny e o chef do hotel, Dick Hallorann, tem uma breve conversa particular. Eles conversam sobre o talento especial de Danny e a natureza sinistra do hotel. Dick informa Danny que ele também tem essa habilidade, que passa a ser chamada de "iluminação". Na conversa, Dick também avisa o garoto para evitar o quarto 217 a todos os custos.
Jack pesquisa e descobre que o hotel tem um passado muito sombrio. A partir daí, Danny tem premonições do perigo do hotel para a sua família, começa a ver fantasmas e visões assustadoras do passado do hotel. Ele não conta aos seus pais sobre as visões, pois ele sabe a importância do trabalho para o seu pai e o futuro de sua família.
Tendo dificuldades em possuir Danny, o hotel começa a possuir Jack, tirando dele a sua vontade de trabalhar. O fantasma do hotel gradativamente acaba possuindo-o. Então, Jack passa a querer matar Wendy e Danny, no desejo de absorver as habilidades psíquicas de Danny. Eles acabam prendendo Jack na despensa do hotel, mas o fantasma de Delbert Grady, um dos zeladores do Hotel Overlook o solta.
Depois disso, Wendy descobre que estão completamente isolados e, Jack, destruiu o snowmobile do hotel. Uma perigosa batalha ocorre entre Wendy e Jack. Ele planeja matá-la, porém ela o golpeia nas costas com uma larga faca de cozinheiro.
Nesse momento, Dick Hallorann, o qual Danny chamou para o hotel através de sua iluminação, está a caminho do Overlook para investigar. Jack deixa Wendy no banheiro e se atenta a matar Dick Hallorann, destruindo seu maxilar e dando-lhe uma concussão com o malho. Ele então começa a perseguir Danny. Danny escapa por lembrar que o pai tem que fazer algo com a caldeira no porão, que pode explodir e destruir todo o hotel.
É um livro muito empolgante.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Dan Brown

Os livros do autor (até agora!) são: “Anjos e Demônios”, “O Código Da Vinci”, “O Símbolo Perdido”, “Fortaleza Digital” e “Ponto de Impacto”.
Com estilo único e característico, Dan Brown sempre aparece com uma aventura emocionante, cheia de ação, humor, teoria da conspiração e mistério. Seus livros são do tipo “você-não-consegue-desgrudar-os-olhos-um-minuto-do-começo-ao-fim”. Os fãs (e eu me incluo nisso) estão sempre esperando o próximo livro sair para ser devorado como os anteriores.
Seus personagens são cativantes e marcantes (além de heróicos e inteligentíssimos). O melhor exemplo é Robert Langdon, um respeitado professor de simbologia da Universidade de Harvard, que pratica heroísmo nas horas vagas (é o personagem principal de três dos livros do autor); mas temos também Sophie Neveu, Vittoria Vetra, Rachel Sexton (sempre mulheres fortes, mesmo as vilãs – isso faz lembrar um pouco o estilo de Sidney Sheldon), entre outros.
Eu recomendo todos os livros do autor com ênfase em “Anjos e Demônios” e “O Código Da Vinci” (apesar de já terem sido estragados virando filme). E ressalto que “O Símbolo Perdido” não tem a “assinatura” típica de Dan Brown, além de ter um fim BEM FORÇADO.
Esses últimos que eu citei, são aventuras de Robert Langdon, e neles ele salva o Vaticano (e todos que estavam lá), Desvenda uma conspiração da Opus Dei, bem como descobre a verdade (segundo o autor) sobre o “Santo Graal” e salva a Maçonaria de ter seus segredos revelados ao publico, além de descobrir um grande símbolo (segundo o autor) perdido em Washington, respectivamente.
Os demais tratam de uma possível prova de vida alienígena (Ponto de Impacto) e da destruição do maior sistema de segurança dos Estados Unidos (Fortaleza Digital).
Quem ler qualquer um (ou de preferência todos) dos livros do autor só terá a ganhar.

domingo, 25 de julho de 2010

O que é Desventuras em Série?

Essa semana eu e uma amiga estávamos falando sobre essa série de livros (inclusive re-assistimos ao filme), e eu fiquei com uma dúvida. Gostaria que quem já leu (ou está lendo) a história dos três órfãos Baudelaire me ajudassem.
Como poderíamos classificar esses livros?
Seria Romance de formação;
Romance de aventura;
Romance de ficção científica;
Romance infanto-juvenil;
Seria uma tragédia (apesar de isso ser gênero teatral);
Uma mistura de alguns desses acima
Ou seria outro estilo?
Agradeço à todos!

quinta-feira, 22 de julho de 2010

“Bento”, “O Vampiro Rei I”, “O Vampiro Rei II” – André Vianco


Essa trilogia tem, na minha opinião, os melhores livros do autor.
Ela começa em Bento, e já nesse livro Vianco deixa claro que, mais, uma vez irá inovar e surpreender seus leitores, ele cria uma nova mitologia de vampiros, diferente dos de Bram Stoker, ou de Stephenie Meyer, ou os dele mesmo em Os Sete e Cia. Ele cria um Brasil novo, em que a população ou se transformou em vampiro, ou está adormecida há três décadas, ou sofre na mão (dentes) dos vampiros. Mas há também os guerreiros bentos, que tem aptidão natural para lutar e matar vampiros. Existem outras características, após a Noite Maldita (como é chamada a noite em que tudo mudou) as doenças desapareceram, as mulheres não engravidaram mais e as pessoas se uniram pela sobrevivência. Elas trabalham pela subsistência durante o dia e combatem os vampiros à noite. Há uma profecia que diz que quando forem reunidos 30 bentos, ocorreram 4 milagres que possibilitarão a vitória sobre os vampiros. Neste livro o 30º bento acorda. O livro termina com os bentos reunidos e os milagres acontecendo.
Em O Vampiro Rei I o leitor continua acompanhando a saga de bento Lucas e seus guerreiros contra os vampiros. Há rumores de que o Vampiro Rei despertará e virá unir os filhos da noite para “equilibrar” a batalha final. Os 4 milagres aconteceram e, nesse livro, parece que a batalha já está ganha. Os Homes seguem retomando o antigo território brasileiro, enquanto na surdina o Vampiro Rei desperta.
No livro seguinte, o Vampiro Rei trás para os vampiros o que prometia a lenda e começa a batalha final. Nesse livro descobrimos o que (e porque) aconteceu na Noite Maldita, e temos um desfecho interessante para uma vampira que tinha apenas um pequena participação. Vianco mostra nessa serie que sua imaginação nao tem fim, ele inova (tendo como parâmetro seus livros anteriores) ao colocar os vampiros como os vilãos. Ele também dá um bom exemplo ao imcorporar elementos do folclore brasileiro em sua narrativa (não só nessa série).